©2017 Rede ABRA. Orgulhosamente criado com Wix.com

Rede ABRA & Rios de Encontro convidam para celebrar

Por que?

Aqui, as duas estações, de chuva e seca, já perderam seus ciclo. Afluentes estão secando. Vivemos crises respiratórias todos os dias. Isso já impacta em você, pois o rio invisível no céu criado pelas florestas da Amazônia gera água para o mundo e regula todo o ecossistema do planeta. 

Em Paris, dezembro 2015, 177 países prometeram tentar segurar o aquecimento global até 1,5o C acima do nível pré-industrial, até 2030. Já está quase alcançada. Mesmo assim, 29 hidroelétricas estão planejadas somente para a Amazônia até 2030. 

E com o impacto Trump e a extinção das leis que protegem Amazônia, pelo ilegítimo governo Temer, a situação é grave!

Contexto

A comunidade científica sabe que estamos correndo ao ecocídio global. Porque não se manifesta mais? Provocaria um tsunami global de pânico? Rios de Criatividade é mais que um convite. É uma chamada para atuarmos, juntos, a tempo! 

Pedral do Lourenção, Rio Tocantins, Pará, Brasil

Em Marabá, os 240.000 habitantes são governados pela desigualdade social extrema e ausência de direitos humanos e justiça, sustentadas por uma guerra civil regulada pelo narcotráfico e pior ensino-médio no país. Um século de exploração multinacional fortalecerá a elite corrupta não-eleita que acabou de tomar poder no Brasil.

Antonio Donato Nobre: Há um rio sobre nós (TEDx Amazônia)

A uma hora de Marabá, 40 quilômetros de rochas naturais protegem o Rio Tocantins. O Pedral do Lourenção estará derrocado em 2018 para aprofundá-lo e transportar madeira, boi, soja transgênica e aço do maior projeto de mineração no mundo, abastecido pelas hidrelétricas de Belo Monte e Tucuruí e a usina planejada para Marabá. Podemos intervir a tempo para mudar este futuro?

Bicicletada pela Vida, Marabá, Pará, Brasil

Nestas circunstâncias, quais atos de solidariedade e parceria inspirarão os excluídos de Marabá olharem além da sobrevivência e arriscarem ao escolherem esperança? Nestes tempos de colapso sistêmico, quais projetos tocarão os poderosos na região Pan-Amazônica e no mundo ‘desenvolvido’ para olharem além do poder e negação do aquecimento global e arriscarem a escolha de vida para todos? Quais condições transformam o impossível em nosso dia-a-dia?

Festival de Pipa, Marabá, Pará, Brasil